Mulheres alforriadas e o trabalho no império romano

uma leitura a partir da epigrafia latina

Autores

  • Catarina de Faria Rodrigues Universidade Estadual de Campinas
  • Filipe Noé da Silva Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.53000/cpa.v27i37/38.4675

Palavras-chave:

Arqueologia feminista, Mulheres, Trabalho, Império romano, Epigrafia latina

Resumo

Este artigo discute a atuação laboral das libertas no Império Romano a partir da epigrafia latina. Tem-se por intenção avaliar as contribuições das teorias feministas para os Estudos Clássicos, e ressaltar sua importância para a construção de uma História Antiga que possa e deva reconhecer e valorizar a experiência histórica das mulheres. Assim sendo, propõe-se a leitura de inscrições funerárias latinas de mulheres egressas da escravidão. Nesta empreitada, interessa-nos evidenciar a contribuição social e econômica das mulheres para além da exclusão proposta pela escravidão.

Biografia do Autor

Catarina de Faria Rodrigues, Universidade Estadual de Campinas

Bolsista FAPESP de Iniciação Científica, no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

Filipe Noé da Silva, Universidade Estadual de Campinas

Pesquisador colaborador do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Esdatual de Campinas.

Referências

FONTES ANTIGAS

CATÃO. Da Agricultura. Edição bilíngue. Tradução, apresentação e notas: Matheus Trevizam. Campinas: Editora da Unicamp, 2016.

CICERO. De Officis. Transl. Walter Miller. Loeb Classical Library. Mass./London: Cambridge/Harvard, University Press, 1913.

CÍCERO. Dos Deveres. Tradução de Angélica Chiappetta. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

SÊNECA. Cartas a Lucílio. 5ª Edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2014.

REFERÊNCIAS

AGAMBEN, Giorgio. Infância e História. Destruição da experiência e origem histórica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

BELO, Tais Pagoto. Boudica nas Representações do Feminino. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo, Julho de 2011.

BOTTÉRO, Jean. A escrita e a formação da inteligência na Mesopotâmia. In: BOTTÉRO, J; MORRISON, K. (Organizadores). Cultura, pensamento e escrita. São Paulo: Editora Ática, 1995.

BUONOPANE, Alfredo. Medicae nell’occidente romano: un’indagine preliminare. In: Donna e lavoro nella documentazione epigrafica. Atti del I Seminario sulla condizione femminile nella documentazione epigrafica. Fratelli Lega Editori, 2002. p.113-130.

CALDELLI, Maria Letizia. Women in the Roman World. In: BRUNN, C; EDMONDSON, J (Editors). The Oxford Handbook of Roman Epigraphy. Oxford: University Press, 2015. p.582-604.

DÍAZ-ANDREU, Margarita. Arqueologia crítica e humanista. São Paulo: Fonte Editorial, 2019.

DUPRAT, Paulo Pires; FUNARI, P. P. A. Teuta, a rainha da Ilíria contra os romanos, uma abordagem feminista. VI Encontro Humanístico Multidisciplinar - EHM e V Congresso Latino-Americano de Estudos Humanísticos Multidisciplinares, na modalidade online, 2020.

DUPRAT, Paulo Pires. Trabalho feminino na Hispânia Romana: preconceitos e resgates. Revista Hélade. Vol. 03, Nº 03. 2017. p. 107-129.

ERNOUT, Alfred; MEILLET, Alfred. Dictionnaire Étymologique de la Langue Latine. Histoire des mots. Paris: Klincksieck, 1951.

FEITOSA, Lourdes. Amor e sexualidade. O masculino e o feminino nos grafites de Pompéia. São Paulo: Editora Annablume/FAPESP, 2005.

FEITOSA, Lourdes M.C.; RAGO, Margareth. Somos tão antigos quanto modernos? Sexualidade e gênero na Antiguidade e Modernidade. IN: FUNARI, P. P.; RAGO, M. (orgs.) Subjetividades antigas e modernas. São Paulo: Annablume Editora, 2008. pp. 107-121.

FUNARI, P. P. A. Romanas por elas mesmas. Cadernos Pagu (5), 1995. pp. 179-200.

FUNARI, P.P.A. A vida quotidiana na Roma Antiga. São Paulo: Editora Annablume, 2003.

FUNARI, P. P.; GARRAFFONI, R. S. Gênero e Conflitos no Satyricon. O Caso da Dama de Éfeso. História: Questões & Debates. n. 48/49, Curitiba: Editora UFPR, 2008, pp. 101-117.

FUNARI, P. P.; MARQUETTI, Flávia Regina. De desejos e silêncios. IN: FUNARI, P. P.; MARQUETTI, F. R. (orgs.) Autorretrato: gênero, identidade e liberdade. Londrina: EDUEL, 2019. pp. 9-13.

FUNARI, P. P.; MARQUETTI, Flávia Regina. Antiguidades e relações de gênero. IN: FUNARI, P. P.; MARQUETTI, F. R. (orgs.) Autorretrato: gênero, identidade e liberdade. Londrina: EDUEL, 2019. pp. 17-20.

GARRAFFONI, Renata Senna. História Antiga e as camadas populares. Repensando o Império Romano. Separata da Revista Cadmo. Nº18. Lisboa, 2008, p. 169-180.

HORSFALL, Nicholas. La cultura della plebs romana. Barcelona: PPU, 1996.

IGGERS, Georg. Desafios do século XXI à historiografia. MARTINS, Estevão Chaves de Rezende; CALDAS, Pedro Spinola Pereira (Trads.) História da historiografia, número 04. Ouro Preto, mar. 2010. pp. 105-124.

JOLY, Fábio Duarte. A escravidão na Roma Antiga. 2ª Edição. São Paulo: Editora Alameda, 2013.

JOSHEL, Sandra Rae. Work, identity and legal status at Rome: a study of occupational inscriptions. Oklahoma: University of Oklahoma Press, 1992.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle (Organizadoras). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora da UNESP, 2009. p. 67-75.

KNUST, José Ernesto Moura. Uma maldita diferença: a categoria trabalho na antiguidade grecorromana em contraposição à realidade capitalista. Revista de História Comparada UFRJ. Rio de Janeiro. Vol.13, Nº02. 2019. p. 07-43.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas. 22(3):320, Florianópolis, setembro-dezembro/2014, pp. 935-952.

MARSHALL, C.W. The stagecraft and Performance of Roman Comedy. Cambridge: University Press, 2006.

MOURITSEN, Henrik. The freedman in the Roman World. Cambridge: Cambridge University Press, 2011.

PATTERSON, Orlando. Slavery and social death. Harvard: University Press, 1982.

PÉREZ-GONZÁLEZ, Jordi. Sumptuary specialists and consumer elites in Rome’s world order. Collecció Instrumenta (75). Barcelona: Universitat de Barcelona Editions, 2021.

RAGO, Margareth. Epistemologia feminista, gênero e história. IN: PEDRO, J.; GROSSI, M. Masculino, Feminino, Plural. Florianópolis. Ed. Mulheres, 1998.

RAGO, Margareth. A “nova” historiografia brasileira. Anos 90. n° 11. Porto Alegre, jul. 1999. pp. 73-96.

RIBEIRO, Loredana. Crítica feminista, arqueologia e descolonialidade sobre resistir na ciência. Revista de Arqueologia. Vol. 30, n° 1, 2017. pp. 210-234.

ROSTOVTZEFF, Mikhail Ivanovich. Iranians and Greeks in South Russia. Oxford: Clarendon Press, 1922.

RUBIERA CANCELAS, Carla. La esclavitud femenina en la Roma Antigua. Famulae, ancillae et seruae. Oviedo: Ediciones Trabe, 2014.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Vol. 20, Nº02. 1995. p. 71-99.

SILVA, Glaydson José da Silva. Antiguidade, Arqueologia e a França de Vichy: usos do passado. Tese de Doutorado. Campinas: IFCH/Unicamp, 2005.

SILVA, Filipe N. Pela honra e em liberdade. Os libertos e a munificência cívica na Baetica (Séculos I e II d.C.). Tese de doutorado apresentada ao IFCH/Unicamp. Campinas, 2021.

THOMAS, Yan. Travail incorpore dans une matière première, travail d’usage et travail comme merchandise: le droit comme matrice des catégories économiques à Rome. In: ANDREAU, J; FRANCE, J; PITTIA, S (Eds). Mentalités et choix économiques des Romains. Paris: Boccard, 2004. p. 201-226.

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e pensamento entre os gregos. Estudos de psicologia histórica. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1990.

WOOD, Ellen Meiksins. Democracia contra o capitalismo. A renovação do materialismo histórico. São Paulo: Editora Boitempo, 2011.

Downloads

Publicado

2022-05-16

Como Citar

Rodrigues, C. de F., & Silva, F. N. da . (2022). Mulheres alforriadas e o trabalho no império romano: uma leitura a partir da epigrafia latina. Revista De Estudos Filosóficos E Históricos Da Antiguidade, 27(37/38), 74–93. https://doi.org/10.53000/cpa.v27i37/38.4675