Andança, agitação, luta, autonomia, evolução

sentidos do movimento e da mobilidade

Autores

  • André Dumans Guedes Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v9i1.2078

Palavras-chave:

Garimpo, Movimentos, Mobilidade, Atingidos por barragens

Resumo

Neste artigo, busco discutir alguns dos múltiplos sentidos que as ideias de movimento e mobilidade assumem entre garimpeiros atingidos por barragens na cidade de Minaçu, localizada no extremo-norte de Goiás. Considero assim como o movimento pode se referir à circulação e ao deslocamento espacial; à agitação característica de certos contextos específi cos; e às ideias de luta, autonomia e evolução. No mesmo movimento analítico em que apresento tais sentidos, busco discutir a forma como tais pessoas encaram a difícil situação em que se encontram no momento, também em função do fato de que foram incapazes de obter o que elaschamam de "seus direitos".

Biografia do Autor

André Dumans Guedes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor do Departamento de Sociologia e Metodologia das Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal Fluminense.

Referências

ANDRIOLI, C. Sob as vestes de Sertão Veredas, o Gerais. ‘Mexer com criação’ no Sertão do IBAMA. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais/Unicamp, Campinas, 2011.

ANTONAZ, D. Na Escola dos Grandes Projetos. A Formação do Trabalhador Industrial na Amazônia. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social / Museu Nacional / UFRJ, Rio de Janeiro, 1995.

APPADURAI, A. Modernity at large. Minneapolis: U. of Minnesota Press, 1996.

BORGES, A. Tempo de Brasília: etnografando lugares-eventos da política. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2003.

CARNEIRO, A. C. O ‘Povo’ Parente dos Buracos: Mexida de Prosa e Cozinha no Cerrado Mineiro. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social / Museu Nacional / UFRJ, Rio de Janeiro, 2010.

CHAVES, C. A marcha nacional dos sem-terra. Um estudo sobre a fabricação do social. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2000.

CLEARY, D. A garimpagem de ouro na Amazônia: uma abordagem antropológica. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1990.

COMERFORD, J. Falando da luta. Observações sobre a noção de luta entre trabalhadores rurais. Comunicações do PPGAS - Museu Nacional, Rio de Janeiro, n. 5, p. 39-59, março 1998.

DAINESE, G. Chegar ao cerrado mineiro: hospitalidade, política e paixões. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/ Museu Nacional/ UFRJ, Rio de Janeiro, 2011.

DAWSEY, J. Sismologia da performance. Ritual, drama e play na teoria antropológica. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 50, n. 2, p. 527-570, 2007.

FIGURELLI, F. Sociabilidades, direitos e cabeças raspadas. Reconstruções de experiências sindicais rurais. In: LEITE LOPES, J. et al. (Org.). Narrativas da desigualdade. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013.

FREYRE, G. Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.

GARCIA JR., A. Terra de trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GASPAR, E. dos S. Os Bamburrados do Tapajós. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Economia/Universidade Federal da Paraíba, Campina Grande, 1990.

GEFFRAY, C. A opressão paternalista. Cordialidade e brutalidade no cotidiano brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Cândido Mendes, 2007.

GUEDES, A. D. Fevers, movements, passions and dead cities in northern Goiás. Vibrant, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 56-95, jan./jun. 2014.

GUEDES, A. D. O trecho, as mães e os papéis. Etnografia de movimentos e durações no norte de Goiás. Rio de Janeiro: Garamond, 2013a.

GUEDES, A. D. Na estrada e na lama com Jorge, um Brasileiro. Trabalho e moradia nas fronteiras do desenvolvimento. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 19, n.39, p. 319-345, 2013b.

GUEDES, A. D. Abrir no mundo, rasgando o trecho: mobilidade popular, família e grandes projetos de desenvolvimento. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 21, p. 137-152, 2012.

LEITE LOPES, J. S. Fábrica e Vila Operária. Consideração sobre uma Forma de Servidão Burguesa. In: LEITE LOPES, J. et al. Mudança social no Nordeste. A reprodução da subordinação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LÉVI-STRAUSS, C. Introdução à obra de Marcel Mauss. In: MAUSS, M. Sociologia e antropologia. São Paulo: Edusp, 1974.

MEDEIROS, C. P. No rastro de quem anda: comparações entre o tempo do Parque e o hoje em um assentamento no noroeste mineiro. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social / Museu Nacional / UFRJ, Rio de Janeiro, 2011.

MORAES, M. E. de. No Rastro das Águas: Pedagogia do Movimento dos Atingidos pelas Barragens da Bacia do Rio Uruguai (RS/SC) – 1978/1990. Tese (Doutorado) – Departamento de Educação / PUC, Rio de Janeiro, 1994.

PIERSON, D. O Homem no Vale do São Francisco. Rio de Janeiro, Ministério do Interior/Suvale, 1972.

PÓVOA-NETO, H. No caminho das pedras: itinerários na formação da mobilidade garimpeira em Goiás. Tese (Doutorado) – Departamento de Geografia / USP, São Paulo, 1998.

RIBEIRO, E. M. Vaqueiros, bois e boiadas. Trabalho, negócio e cultura na pecuária do nordeste mineiro. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, n. 10, p. 393-433, abr. 1998.

RUMSTAIN, A. Peões no Trecho. Estratégias de Trabalho e Deslocamento no Mato Grosso. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social / Museu Nacional / UFRJ, Rio de Janeiro, 2009.

SALAZAR, N. Mobility. In: MCGEE, R.J. et al. (Org.). Theory in social and cultural anthropology volume 1. Thousand Oaks: Sage, 2013.

SIGAUD, L. A forma acampamento: notas a partir da versão pernambucana. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 58, p. 129-152, 2000.

URRY, J. Mobilities. Cambridge: Polity Press, 2007.

VELHO, O. O Cativeiro da Besta Fera. In: VELHO, O. Mais Realistas que o Rei. Ocidentalismo, Religião e Modernidades Alternativas. Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

WOORTMANN, K. Migração, Família e Campesinato. In: WELCH, C. et al. (Org.). Camponeses brasileiros: leituras e interpretações clássicas, v.1. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

Downloads

Publicado

2015-10-10

Como Citar

Guedes, A. D. (2015). Andança, agitação, luta, autonomia, evolução: sentidos do movimento e da mobilidade. RURIS (Campinas, Online), 9(1). https://doi.org/10.53000/rr.v9i1.2078

Edição

Seção

Dossiê: Movimentos e práticas de circulação em coletividades rurais