A produção orgânica como promotora de novas ruralidades?

reflexões sobre associações de produtores (neorurais) do sul de Minas Gerais

Autores

  • Camila Guedes Codonho Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v9i2.2301

Palavras-chave:

Antropologia rural, Novas ruralidades, Questão ambiental

Resumo

Este artigo, fruto de uma pesquisa de doutorado realizada entre produtores rurais do sul de Minas Gerais, pretende apresentar os novos arranjos, alianças e conflitos que surgem do encontro entre dois tipos de atores sociais no âmbito das associações de produtores orgânicos. A título de análise denominamos tais atores como "neorurais locais" e "neorurais forasteiros", sendo os primeiros, agricultores familiares que passaram a produzir para o mercado a partir das técnicas orgânicas de produção, e os segundos, citadinos que migram dos grandes centros urbanos e vão buscar no campo um ideal de vida pautado na convivência harmônica com o mundo natural, supostamente livre da poluição, do barulho e do stress das grandes cidades.

Biografia do Autor

Camila Guedes Codonho, Universidade Estadual de Campinas

Pós-doutora em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ALMEIDA, João Baptista Teixeira. Desenvolvimento local sustentável para a agricultura familiar. 2009. Monografia (MBA em gestão e planejamento estratégico) – FAI, Santa Rita do Sapucaí.

AUN, Nádia Jarouche. Populações neo rurais: interações e contribuições para o desenvolvimento rural. In: I Seminário Internacional Ruralidades, Trabalho e Meio Ambiente. Universidade Federal de São Carlo. São Carlos, 2011.

AUN, Nádia Jarouche. Agricultura orgânica e atores neorrurais na Serra da Mantiqueira: o grupo Orgânicos da Mantiqueira, Gonçalves, MG. 2012. Dissertação (Mestrado) – UFSCar, Araras, 2012.

BECK, U. Risk Society. Towards a new modernity. Sage Publications, London; Thousand Oaks, New Delhi, 1998.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O afeto da terra: imaginários, sensibilidades e motivações de relacionamentos com a natureza e o meio ambiente entre agricultores e criadores sitiantes do Bairro dos Pretos, nas Encostas da Serra da Mantiqueira, em Joanópolis. Campinas: Unicamp, 1999.

BRANDENBURG, A. Ciências sociais e ambiente rural: principais temas e perspectivas analíticas. Ambiente & Sociedade – V. VIII, n. 1, p. 1-13, jan./jun. 2005.

CARNEIRO, Maria José. Agricultores familiares e pluriatividade: tipologias e políticas. In: Mundo rural e tempo presente. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

CARNEIRO, Maria José. "Rural" como categoria de pensamento. Ruris: Revista do Centro de Estudos Rurais. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, v. 2, n. 1, p. 09-38, 2008.

CARVALHO, Rosângela. Relatório de inspeção Ecominas, Projeto MG 177. Pouso Alegre: IBD, julho de 2010.

CODONHO, Camila Guedes. Dos saberes tradicionais às atuais problemáticas ambientais: novas configurações e estratégias rurais no sul de Minas. Paper apresentado no ST 19: Metamorfoses do rural contemporâneo, 34ª ANPOCS, Caxambu: 2010.

CODONHO, Camila Guedes. Agricultura orgânica e novas ruralidades: estudos de caso no sul de Minas Gerais. In: I Seminário Internacional Ruralidades, Trabalho e Meio Ambiente. Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2011.

CODONHO, Camila Guedes. "Ser orgânico": agricultura ecológica e novas ruralidades no sul de Minas Gerais. 2013. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

DAROLT, Moacir Roberto. As principais correntes do movimento orgânico e suas particularidades. In: Planeta Orgânico, 2004. Disponível em: http://www.viaorganica.com.br/correntes.htm. Acesso em: 11 fev. 2016.

DIEGES, Antonio Carlos e ARRUDA, Rinaldo S. V. (Orgs.). Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; São Paulo: USP, 2001. (Biodiversidade, 4).

DUPUY, J. P. Introdução à crítica da ecologia política. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 1980.

FERREIRA, Leila da Costa. Idéias para uma sociologia da questão ambiental no Brasil. São Paulo: Annablume Editora, 2009.

GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. Editora UNESP: São Paulo, 1991.

GIULIANI, G. M. Neo-ruralismo: o novo estilo dos velhos modelos. RBCS/Anpocs, n. 14, ano 5, p. 01-09, out. 1990.

GODOI, Emilia Pietrafesa; MENEZES, Marilda Aparecida; MARIN, Rosa Acevedo (Orgs.). Diversidade do campesinato: expressões e categorias. V. 2: estratégias de reprodução social. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009.

GRAZIANO DA SILVA, José. O novo rural brasileiro. In: Anais o XXXIV Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. Aracaju: Sober, v. 2, 1996, p. 16-18.

ILICH, I. A convivencialidade. Lisboa: Publicações EuropaAmérica, 1976.

KARAM, Karen Follador. A Agricultura Orgânica como Estratégia de Novas Ruralidades: um estudo de caso na Região Metropolitana de Curitiba. In: V IESA/SBSP – V Encontro da Sociedade Brasileira de Sistemas de Produção e V Simpósio Latino-Americano sobre Investigação e Extensão em Sistemas Agropecuários. Florianópolis/SC, 20 a 23 de maio de 2002.

KAYSER, Bernard. La renaissance rurale. Sociologie des campagnes du monde occidental. Paris: Armand Colin Éditeur, 1990.

LATOUR, Bruno. Reensamblar Lo Social: uma introdución a la teoria del actorred. Buenos Aires: Manantial, 2008.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. 3 ed. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 1974.

MAYER, Adrian C. A importância dos “quase grupos” no estudo das sociedades complexas. In: FELDMAN-BIANCO, Bela (org.). A antropologia das sociedades contemporâneas. São Paulo: Global, 1987.

MENDRAS, Henri. Sociologia Rural. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1969. MICHAELLIS. Moderno dicionário da língua portuguesa. Companhia Melhoramentos. São Paulo, 1998.

NETO, Canrobert Costa. Agricultura sustentável, tecnologias e sociedade. In: Mundo rural e tempo presente. Rio de Janeiro: Mauad, 1999, v. 2, p. 299-321.

OPHULS, W. Ecology and politics of scarcity. W.H. Freeman and Company: San Francisco, 1977.

ORGÂNICOS Sul de Minas. Disponível em: http://joomla3.ifsuldeminas.edu.br/~organicos/. Acesso em: 10 jun. 2014.

PAEHLKE, Robert C. Enviromentalism and the future of progressive politics. New Haven & London: Yale University Press, 1989.

STERN, Paul C.; YOUNG, Oran R; DRUCKMAN, Daniel (orgs.). Mudanças e agressões ao meio ambiente. São Paulo: Makron Books do Brasil Editora Ltda, 1993.

THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

WANDERLEY, Maria de Nazareth B. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: XX Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu, 1996.

WANDERLEY, Maria de Nazareth B. A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas – o “rural” como espaço singular e ator coletivo. Estudos Sociedade e Agricultura, n. 15, p. 87-145, outubro, 2000.

WEBER, Max. A "objetividade" do conhecimento nas Ciências Sociais [1973]. In: COHN, Gabriel (Org.). Weber: sociologia. Editora Ática: São Paulo, 2000, p. 79-128.

WOORTMANN, Ellen F. O saber camponês: práticas ecológicas tradicionais e inovações In: GODOI, Emilia Pietrafesa; MENEZES, Marilda Aparecida; MARIN, Rosa Acevedo (Orgs.) Diversidade do campesinato: expressões e categorias. V. 2. Estratégias de reprodução social. São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural, 2009, p. 119-132.

Downloads

Publicado

2016-10-07

Como Citar

Codonho, C. G. (2016). A produção orgânica como promotora de novas ruralidades? reflexões sobre associações de produtores (neorurais) do sul de Minas Gerais. RURIS (Campinas, Online), 9(2). https://doi.org/10.53000/rr.v9i2.2301

Edição

Seção

Artigos