O movimento dos geraizeiros e a luta pela terra no Alto Rio Pardo

Autores

  • Fabiano Rosa de Magalhães Instituto Federal do Norte de Minas Gerais
  • Rogério Alves de Amorim Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v9i2.2304

Palavras-chave:

Geraizeiros, Monocultura, Comunidades tradicionais

Resumo

Este artigo analisa aspectos associados à luta pela terra no Alto do Rio Pardo, região norte de Minas. O ponto de partida foi a organização de cerca de 70 famílias dos municípios de Novorizonte-MG e Fruta de Leite-MG, atingidas por um processo de grilagem de terras. A partir de tal organização as famílias passam a conhecer comunidades tradicionais geraizeiras que se organizam em torno de suas demandas específicas, mas que, no conjunto vêem-se ligadas pelas questões comuns: a defesa pelo direito territorial e a luta contra o modelo empresarial de apropriação da terra representadas pela monocultura de eucalipto e a mineração.

Biografia do Autor

Fabiano Rosa de Magalhães, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Professor de Sociologia do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais – Campus Araçuaí.

Rogério Alves de Amorim, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Mestre de Edificações e Infraestrutura do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais – Campus Salinas. Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente na Universidade Estadual de Santa Cruz.

Referências

ANDERSON, Perry. O fim da história – De Hegel a Fukuyama. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1992.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Sistema de Informações Territoriais – SIT. Disponível em: http://sit.mda.gov.br. Acesso em: 24 jan. 2013.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Decreto de 13 de outubro de 2014. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/dsn/dsn14016.htm. http://sit.mda.gov.br. Acesso em: 09 jan. 2014.

BRITO, Isabel Cristina Barbosa de. A rede-movimento social dos geraizeiros do Norte de Minas. VI Encontro Nacional da Anppas, realizado em Belém do Pará, de 18 a 21 de setembro de 2012. Disponível em http://www.anppas.org.br/encontro6/anais/ARQUIVOS/GT2-1286-1051-20120702133233.pdf. Acesso em: 24 jan. 2013.

BRITO, Isabel Cristina Barbosa de. Comunidade, território e complexo florestal industrial: o caso de Vereda Funda, Norte de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Social) – Universidade Estadual de Montes Claros, 2006.

CÂNDIDO, Antonio. Os Parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Editora 34, 2001.

CHAUI, Marilena. Conformismo e Resistência. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CLASTRES, Pierre. Sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA. Comemoremos! Movimento Geraizeiro faz retomada de seu território tradicional. Disponível em: http://www.cptba.org.br/joomla15/index.php?option=com_content&view=article&id=795:comemoremos-movimento-geraizeiro-faz-retomada-de-seu-territoriotradicional&catid=8:noticias-recentes&Itemid=6.

COSTA, Emília Viotti. Política de terras nos Estados Unidos e no Brasil. In: COSTA, Emília Viotti. Da monarquia à república: momentos decisivos. São Paulo: UNESP, 1999. Cap. 4, p. 169-193.

DAYRELL, Carlos. Geraizeiros e Biodiversidade no Norte de Minas: a contribuição da agroecologia e da etnoecologia nos estudos dos agroecossistemas tradicionais. Dissertação (Maestria em Agroecologia y Desarrollo Rural Sostenible) – Universidade nternacional de Andalucia, Sede Ibero Americana de La Rábida, Huelva, Espanha, 1998.

DAYRELL, Carlos. Rebeldia nos sertões. Agriculturas, v. 8, n. 4, p. 10-14, dez. 2011.

DAYRELL, Luciano. Cacunda di Librina. Montes Claros-MG: Centro de Agricultura Alternativa – Norte de Minas. 2007. DVD. 31 minutos.

DELGADO, Guilherme Costa. Capital financeiro e agricultura no Brasil. Campinas: Ícone, 1985.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

GRAMSCI, Antônio. A questão meridional. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

IANNI, Octávio. Ditadura e agricultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

LEFEBVRE, Henri. Problemas de la sociologia rural. In: LEFEBVRE, Henri. De lo Rural a lo urbano. Barcelona, Espanha: Ediciones Península, 1975. (cap. I), p. 19-38.

MAGALHÃES, Fabiano Rosa de. Estratégias de rua: manifestações político-sindicais do Sindicato dos Bancários na Praça Sete de Belo Horizonte. 2008. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

MARTINS, José de Souza. A Sociabilidade do homem simples. São Paulo: Contexto, 2012.

MARTINS, José de Souza. Cativeiro da Terra. São Paulo: Hucitec, 1998.

MAZZETTO, Carlos Eduardo Silva. Monocultura e conflito socioambiental. 2011. Disponível em: conflitosambientaismg.lcc.ufmg.br. Acessado em: 15 ago. 2013.

NOGUEIRA, Mônica Celeida Rabelo. Gerais a dentro e a fora: identidade e territorialidade entre os Geraizeiros do Norte de Minas Gerais. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade de Brasília, 2009.

OLIVEIRA, Cláudia Luz de. Vazanteiros do Rio São Francisco: um estudo sobre populações tradicionais e territorialidade no Norte de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal de Minas Gerais, 2005.

OLIVEIRA, Francisco de. Anos 70: as Hostes Errantes. Novos Estudos CEBRAP, n. 1, p. 20-25, dez. 1981.

PEREIRA, Carlos Olavo da Cunha. Nas terras do rio sem dono. Rio de Janeiro: Codecri, 1988.

PRADO JR., Caio. A formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1970.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo. Para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2010.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da Mente. São Paulo: Gaia, 2003.

SINGER, Paul. Agricultura e desenvolvimento econômico. In: SZMRECSÁNYI, Tamás; QUEDA, Oriowaldo (orgs.). Vida rural e mudança social. São Paulo: Editora Nacional, 1979.

Downloads

Publicado

2016-10-07

Como Citar

Magalhães, F. R. de, & Amorim, R. A. de . (2016). O movimento dos geraizeiros e a luta pela terra no Alto Rio Pardo. RURIS (Campinas, Online), 9(2). https://doi.org/10.53000/rr.v9i2.2304

Edição

Seção

Artigos