Banditismo rural e administração da segurança no Brasil da Primeira República

Autores

  • Jorge Mattar Villela Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v9i2.2307

Palavras-chave:

Antropologia, Sertão, Violência, Política, Justiça

Resumo

Este artigo pretende mostrar alguns aspectos da administração da justiça e da violência durante a Primeira República. Como método de exposição, optei pela apresentação das poucas informações existentes acerca de vida de Clementino (Quelé) José Furtado, ex-inspetor de quarteirão, ex-cangaceiros e sargento da Polícia do governador João Pessoa, na Paraíba, em luta contra os Sertões Rebelados, em 1929, às vésperas da Revolução de 1930. Sem a intenção de efetuar uma antropologia biográfica, a vida de Quelé mostra todas as possíveis relações entre diversos exercícios de poder e seus alvos, os habitantes do Vale do Pajeú das Flores, no sertão de Pernambuco.

 

Biografia do Autor

Jorge Mattar Villela, Universidade Federal de São Carlos

Pós-doutorado no Departamento de Antropologia na Universidade de Edimburgo. Professor Associado 4 da Universidade Federal de São Carlos.

Referências

ALMEIDA, Érico de. Lampião. Sua história. João Pessoa: Editora Universitária. 1996 [1926].

ANDRADE, Ana Isabel. O Arquivo José Américo e a Revolução de 1930. João Pessoa: Fundação Casa José Américo. 1985.

ARAÚJO, Antonio Amaury. O Espinho do Quipá. São Paulo: S/N. 1997.

BARBOSA LIMA, Alexandre José. Mensagem do Governador ao Congresso do Estado de Pernambuco. Fundo Governadores do Estado de Pernambuco. APEJE vol. 260). 1893.

BEZERRA, João. Como dei Cabo de Lampião. Recife: Massangana. 1940.

BRASIL, Leis e Decretos. Lei de Novembro de 1832. In: coleção das leis do império do Brasil de 1832. parte primeira. Rio de Janeiro: tipografia nacional. 1874.

CARDOSO, José. A Heróica Resistência de Princesa. Recife Artes Gráficas da Escola Industrial gov. Agamenon Magalhães. 1954.

CAMARGO, A.; RAPOSO, E. FLASKMAN, S. O Nordeste e a Política. Dialogo com José Américo de Almeida. Rio de Janeiro: CPDOC/Fundação Casa José Américo. 1984.

CARVALHO, Rodrigues Serrote Preto Rio de Janeiro: Sedegra. 1961.

CHANDLER, Billy J. Os Feitosas e os Sertões dos Innhamuns. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará. 1980.

CHANDLER, Billy J. Lampião, o reio dos cangaceiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1981.

Deleuze, G. e Guattari, F. Mille Plateaux. Capitalisme et Schizophrénie II. Paris: Minuit. 1980.

FABIAN, Johannes Time and the Other: how anthropology makes its object. Nova Iorque: Columbia University Press. 1983.

FERRAZ, Marilourdes. O Canto do Acauã. Das memória de Manuel Flor, ex-comandante das Forças Volantes. Belém: S/N. 1979.

FORTUNATO, Maria. O Coronelismo e a Imagem do Coronel: de símbolo a simulacro do poder local. Tese de Doutorado. IFCH-Unicamp. 2000.

FOUCAULT, Michel. Surveiller et Punir. Paris: Gallimard. 1975.

FOUCAULT, Michel. Les Mailles du Pouvoir. In: Dits et Écrtis IV. D. Defert et F. Hartog (orgs.). Paris: Gallimard.

FOUCAULT, Michel. La Société Punitive. Cours au Collége de France. 1972-1973. 2013 [1973].

GRAHAM, Richard. Clientelismo e Política no Brasil do Século XIX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. 1997.

GUEIROS, Optato. Lampeão. Memórias de um oficial ex-comandante de Forças Volantes. São Paulo: S/N. 1953.

INOJOSA, Joaquim. República de Princesa (José Pereira x João Pessoa – 1930). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1980.

LEAL, Vítor Nunes. Coronelismo, Enxada e Voto. O município e o regime representativo no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.1949.

LEITE, Antonio A. de Souza. Memória sobre a Pedra Bonita ou Reino Encantado na Comarca de Villa Bella, Província de Pernambuco. Revista do Instituto Arqueológico e Geographico Pernambucano. Tomo XI, vol. XI. 1904 [1875].

LEWIN, Linda. Política e Parentela na Paraíba. Um estudo de caso da oligarquia de base familiar. Rio de Janeiro: Record. 1993.

LIRA, João Gomes de. Lampião: memórias de um soldado volante. Recife: Fundarpe. 1990.

LUNA, Luiz. Lampião e seus Cabras. Rio de Janeiro: Livros do Mundo Inteiro. 1963.

MACEDO, Nertan. Lampião: capital Virgulino Ferreira. Rio de Janeiro: Renes. 1962.

MACEDO, Nertan. Sinhô Pereira: O comandante de Lampião. Rio de Janeiro: Renes. 1980 [1975].

MACIEL, Frederico. Lampião, seu Tempo e seu Reinado. Rcife: Editora Universitária. 1980.

MARIANO, Paulo. Princesa: antes e depois de 30. João Pessoa: EGN. 1991.

MARQUES, Ana Claudia. Intrigas e Questões. Tramas sociais e brigas de Família no Sertão de Pernambuco. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 2003.

MARQUES, Ana Claudia. 2013. Founders, Ancestors, and emenies: memory, familiy, time, and space in the Pernambuco sertão. JRAI (n.s.) 19. 2013.

MELLO, F. Pernambucano. Guerreiros do Sol. Recife: Massangana. 1985.

MELLO, F. Quem foi Lampião? Recife: Stahli. 1993.

PRATA, Ranulpho. Lampião. São Paulo: Traço Editora. S/D [1934].

SILVA REGO, Arthur da. Relatório do Chefe de Política ao Secretário Geral do Estado Samuel Hardman. Recife: Off. Graph. da Penitenciaria Estadual do Recife. 1923.

VIDAL, Ademar. João Pessoa e a Revolução de 30. Rio de Janeiro: Graal. 1978.

VILLELA, Jorge Mattar. O Povo em Armas. Violência e Política no Sertão de Pernambuco. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 2004.

VILLELA, Jorge Mattar. Ordem Pública e Segurança Individual. Política e política no sertão de Pernambuco. São Carlos: EdUFSCar. 2011.

Downloads

Publicado

2016-10-07

Como Citar

Villela, J. M. (2016). Banditismo rural e administração da segurança no Brasil da Primeira República. RURIS (Campinas, Online), 9(2). https://doi.org/10.53000/rr.v9i2.2307

Edição

Seção

Artigos