“Não tirem nossas casas”

estudo da resistência ao despejo do quilombo Campo Grande (MG) entre o offline e o online

Autores

  • Rafael de Mesquita Oliveira Ferreira Freitas UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v13i1.4384

Palavras-chave:

Movimentos sociais, Antropologia do meios digitais, Emoções, Narrativas

Resumo

A presente investigação intenta compreender os elementos que compuseram a narrativa do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no caso da tentativa de despejo dos moradores do Quilombo Campo Grande, em Campos do Meio (MG). Analiso mensagens postadas no Twitter para compreender como as redes sociais são um ambiente no qual a disputa local busca ganhar repercussão, multiplicando apoiadores e atuando em campos diversos e que a separação entre o online e o offline é rompida. Desta forma, intento contribuir com a pesquisa acerca dos movimentos sociais e também da antropologia em/dos meios virtuais.

Referências

BETIM, Felipe. As várias faces do MST, o movimento que Bolsonaro quer criminalizar. El País. Paraná, 31 de dezembro. 2018. Acesso em: 05 mar. 21.

GOODWIN, Jeff; JASPER, James M.; POLLETTA, Francesca. Introduction in Passionate politics: emotions and social movements. The University of Chicago Press, Londres. 2001.

GOODWIN, Jeff; PFAFF, Steven. Emotion Work in High-Risk Social Movements: Managing Fear in the U.S. and East German Civil Rights Movements in Passionate politics : emotions and social movements. The University of Chicago Press, Londres. 2001.

GUAÍ. Guaí - cooperativa camponesa. Disponível em: http://www.guaii.com.br/. Acesso em: 08 mar. 2021.

LACERDA, Paula. O sofrer, o narrar, o agir: dimensões da mobilização social de familiares de vítimas. Horiz. antropol., Porto Alegre , v. 20, n. 42, p. 49-75. 2014.

LOURENÇO, Arthur Rodrigues; VALE, Ana Rute do. A luta pela terra no Sul de Minas: Conflitos agrários no município de Campo do Meio (MG). In: XX ENCONTRO NACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA, 2010, Francisco Beltrão (PR). Territorialidades, temporalidades e desenvolvimento no espaço agrário brasileiro. Francisco Beltrão: UNIOESTE/GETERR, 2010. p. 3650-3669.

MST. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Disponível em: https://mst.org.br/. Acesso em: 08 mar. 2021.

PARREIRAS, Carolina. Altporn, corpos, categorias, espaços e redes: um estudo etnográfico sobre pornografia online. (Tese em Ciências Sociais) - UNICAMP. Campinas, SP. 2015.

SIQUEIRA, Monalisa Dias de; VÍCTORA, Ceres. O corpo no espaço público: Emoções e processos reivindicatórios no contexto da “Tragédia de Santa Maria”. Sex., Salud Soc. (Rio J.), Rio de Janeiro, n. 25, p. 166-190. 2017.

VIANNA, Adriana; FARIAS, Juliana. A guerra das mães: dor e política em situações de violência institucional. Cad. Pagu, Campinas, n. 37, p. 79-116, dez. 2011.

Downloads

Publicado

2021-11-09

Como Citar

de Mesquita Oliveira Ferreira Freitas, R. (2021). “Não tirem nossas casas”: estudo da resistência ao despejo do quilombo Campo Grande (MG) entre o offline e o online. RURIS (Campinas, Online), 13(1), 97–116. https://doi.org/10.53000/rr.v13i1.4384

Edição

Seção

Artigos