Feminismo camponês popular

contribuições à história do feminismo

Autores

  • Michela Calaça Universidade Federal de Campina Grande

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v13i1.4433

Palavras-chave:

Feminismo Camponês Popular, Lutas sociais, auto-organização, Camponesas

Resumo

Este artigo apresenta algumas reflexões acerca da compreensão do conteúdo teórico e político da categoria Feminismo Camponês Popular, para as mulheres dirigentes políticas da Coordinadora Latinoamericana de Organizaciones del Campo - CLOC e do Movimento de Mulheres Camponesas – MMC. Como primeiros elementos se faz necessário compreender, de forma crítica,a história do feminismo e a ausência das lutas das mulheres camponesas nessa história. Em seguida, apresenta-se um pouco das organizações camponesas que constroem esse feminismo junto com alguns dos elementos por elas sistematizados para falar de seu feminismo.

Biografia do Autor

Michela Calaça, Universidade Federal de Campina Grande

Militante do Movimento de Mulheres Camponesas. Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande.

Referências

ALVES, Branca M. PITANGUY, Jacqueline. O que é feminismo? São Paulo: Brasiliense, 2003.

ANAMURI. Hacia la construcción del feminismo campesino y popular. Santiago: ANAMURI, 2015.

BARBOSA, Silvia Maria Silva. O poder de Zeferina no quilombo do Urubu: Uma reconstrução histórica político Social. 2003. 193 f. Dissertação (Mestrado em 1. Ciências Sociais e Religião 2. Literatura e Religião no Mundo Bíblico 3. Práxis Religiosa e Socie) - Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2003.

BETHELL, Leslie (Org). Historia de América Latina – 1. América Latina Colonial: La América precolombina y la conquista. Barcelona: Critica, 1990a.

BETHELL, Leslie (Org). História de América Latina – 2. América Latina Colonial: Europa e América de los siglos XVI, XVII e XVIII. Barcelona: Critica, 1990b.

BORDO, Susan. A feminista como o Outro. In. Revista Estudos Feministas. V. 8, n. 1, Florianopólis, 2000.

BUARQUE, Cristina. Introdução ao feminismo. In: Caderno de textos gênero e trabalho. Iole Macedo Vanin e Terezinha Gonçalves (Organizadoras). Salvador: REDOR, 2006.

CALAÇA, Michela. O Feminismo Camponês Popular: Resistência e Revolução. 2021. 470f. (Tese de Doutorado), Universidade Federal de Campina Grande. Campina Grande. 2021.

CALAÇA, Michela; SEIBERT, Iridiani. Aproximações teórico/políticas entre a agroecologia e o feminismo camponês popular do MMC. In: Cadernos de Agroecologia. v. 13 n. 1 (2018): Anais do VI Congresso Latino-americano de Agroecologia; X Congresso Brasileiro de Agroecologia; V Seminário de Agroecologia do Distrito Federal e Entorno; 12 a 15 de setembro de 2017, Brasília/DF. Disponível em: http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/501. Acesso em: 21 mai. 2020.

CARO, Pamela. Feminismo campesino y Popular: Autonomías y soberanías. Santiago, Chile: Cloc, 2010.

CINELLI, Catiane. O educativo na experiência do Movimento de Mulheres Camponesas: resistência, enfrentamento e libertação, 2016, 186 f. (Tese de Doutorado), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2016.

CINELLI, Catiane. Programa de sementes crioulas de hortaliças: experiência e identidades no movimento de mulheres camponesas, 2012. (Dissertação de Mestrado). Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Unijuí. Ijui. 2012.

CINELLI, Catiane., & MEZADRI, Adriana. M.. A construção do feminismo no Movimento de Mulheres Camponesas. [texto impresso]. Chapecó, 2014.

CISNE, Mirla. Feminismo e consciência de classe no Brasil. São Paulo: Cortez, 2014.

CLOC. ¿Quiénes somos? Disponível em: http://www.Cloc-viacampesina.net/. Acesso em: 08 ago. 2018.

CLOC. Regiones. Disponível em: http://www.Cloc-viacampesina.net/. Acesso em: 08 ago. 2018.

CLOC..Memoria da IV escuela continental de mujeres liderezas de la cloc - via campesina. (relatoría por días). Chile, 2018.

CLOC. Articulación de mujeres de la Cloc. In. Documento de estudio en preparación hacia la VI Asambleia Continental de mujeres de la Cloc/LaVia Campesina. Havana, 2018.

RODRÍGUEZ, Francisca; AMORIM, Jaime; TÓRREZ, Fausto (CCI/LVC). Nuestros desafios para construir una sociedad socialista. Havana: ANAMURI, MST, ATC, 2019.

CLOC. Declaración VI Asamblea De Mujeres Cloc-Lvc, Havana, 2019a. Disponível em: https://cloc-viacampesina.net/declaracion-vi-asamblea-de-mujeres-cloc-lvc/. Acesso em: agosto de 2019.

CLOC, Articulación de Mujeres de la Cloc. La lucha feminista, campesina y popular de las mujeres del campo de la Cloc/LVC. Documento interno. Cuba, 2018.

CLOC. Regiones. Disponível em: http://www.Cloc-viacampesina.net/. Acesso em: 08 ago. 2018.

CLOC. Nuestros desafios para construir una sociedad socialista - Desde el Territorio, Unidad, Lucha y Resistencia por el Socialismo y la Soberanía Alimentaria. In. Rumbo al VII Congreso. Havana, Cuba, 2019.

CLOC. Las Mujeres en las Luchas de resistencia: el feminismo inserto em las luchas populares. Cloc. Sem data.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

CONTE, Isaura I.; MARTINS, Mariane D.; DARON, Vanderleia P. Movimento de mulheres camponesas: na luta a construção de uma identidade feminista, popular e camponesa. In: Paludo, C. (Org.) Mulheres, luta e resistência em defesa da vida. São Paulo: Cebi, 2009.

CONTE, Isaura I. Mulheres camponesas em luta: resistência, libertação e empoderamento. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação nas Ciências). Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Unijuí. 2011.

CONTE, Isaura I. O processo educativo da luta e do trabalho das mulheres: Via Campesina no Brasil, UNORCA/UNMIC e CONAMI no México. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2014

CONTE, Isaura I.;WESCHENFELDER, N. V.; CINELLI, C. A Construção do feminismo e da identidade camponesa no Movimento de Mulheres Camponesas. Fazendo Gênero. In. 9 Diásporas, Diversidades, Deslocamentos, 23 a 26 de agosto de 2010. Recuperado de: http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/.

DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. 1.ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEERE, Carmen Diana; LEÓN, Magdalena. O empoderamento da mulher: direitos a terra e direitos de propriedade na América Latina. Porto Alegre: UFRGS, 2002.

ESMERALDO, Gema G. S. L. Mulher Rural no Brasil: Estratégias para o Reconhecimento de Ofícios e Ação Politica. In. Revista Latinoamericana PACARINA de Ciencias Sociales y Humanidades, v. 2, p. 122-138, 2011.

ESMERALDO, Gema. G. S. L. Construção identitária da Mulher Sem Terra: ‘Ditos’ e ‘Não Ditos’ no Jornal Sem Terra. In. Estudos Universitarios, v. 30, p. 61-77, 2012.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FREIRE, Paulo; NOGUEIRA, Adriano. Que fazer: Teoria e prática em educação popular. Petrópolis: Vozes, 1993.

GASPARETO, Sirlei A. Kroth. Pedagogia da semeadura: A construção de saberes pelo Movimento de Mulheres Camponesas no programa de sementes crioulas. São Paulo: Dialogar, 2018.

GONZÁLEZ; Ana Isabel Álvarez. As origens e a comemoração do Dia Internacional das Mulheres. São Paulo: Expressão Popular: SOF – Sempreviva Organização Feminista, 2010.

GUZNÁM, Adriana. Descolonizar la memoria. Descolonizar los feminismos. La Paz: Redición, Llojeta, 2019.

JAMES, C.L.R. Os jacobinos negros. Toussaint L´Ouverture e a revolução de São Domingos. São Paulo: Boitempo, 2010.

KERGOAT, D.; HIRATA, H. A classe trabalhadora tem dois sexos. In. Revista Estudos Feministas. n 1. Ano 2. 1994. p. 93-99.

KERGOAT, D. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena [et al.] (orgs.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

LUXEMBURGO, Rosa. A proletária (1914). In. LUXEMBURGO, Rosa. Textos escolhidos. São Paulo: Unesp, 2011.

MIGUEL. Ana de. Los feminismos a través de la historia. In. Creatividad Feminista recibido a través de Modemmujer. Disponível em: http://www.mujeresenred.net/anademiguel.html. Acesso em: 07 set. 2014.

MMC. Organizar a base, produzir alimentos saudáveis, construir caminhos de libertação. Passo Fundo: AMTR-Sul. 2007.

MMC. Gênero, sexualidade e direitos das mulheres. Chapecó: AMTR-Sul, 2008.

MMC. Mulheres camponesas em defesa da saúde e da vida. Passo Fundo: AMTR-sul, 2008.

MMC. Mulheres camponesas construindo autonomia através da produção de alimentos saudáveis. Passo Fundo: ANMC, 2011.

MMC. Camponesas promovendo soberania alimentar com a diversidade brasileira. Passo Fundo: ANMC, 2011.

MMC. Economia (in)Visível Mulheres Camponesas. Passo Fundo: Passo Gráfica, 2012.

MMC. Avançando a partir de uma perspectiva feminista para a construção da soberania alimentar no Brasil: Fortalecimento do Movimento de Mulheres Camponesas. Passo Fundo: ANMC, 2013.

MMC. Mulheres camponesas rompendo o silêncio e lutando pela não violência. Passo Fundo: Secretaria Nacional, 2015ª.

MMC. Relatório do I Seminário Internacional Feminismo Camponês e Popular. Luziânia, 2015b.

MMC. Relatório da I oficina Feminismo Camponês Popular. Chapecó, 2016.

MMC. Relatório do II Seminário Internacional Feminismo Camponês e Popular. Luziânia, 2017a.

MMC. Relatório do III Seminário Internacional Feminismo Camponês e Popular. Luziânia, 2017b.

MMC. Feminismo Camponês e Popular. Chapecó: ANMC, 2018.

OLIVEIRA, Marize Vieira de. Mulheres indígenas: da invisibilidade à luta por direitos. In. HOLLANDA, Heloisa B. Explosão Feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

PALUDO, C. (Org.). Mulheres, luta e resistência em defesa da vida. São Paulo: Cebi, 2009.

PAULILO, Maria Ignês. Intelectuais & militantes e as possibilidades de diálogo. In. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, 16(3): 336. 2010 p. 927 – 940.

PAULILO, Maria Ignês. O peso do trabalho leve. In. Revista Ciência hoje, n. 28. Rio de Janeiro/RJ. 1987. Disponível em: https://naf.ufsc.br/files/2010/09/OPesodoTrabalhoLeve.pdf. Acesso em: 20 nov. 2019.

PAULILO, Maria Ignês. Que feminismo é esse que nasce na horta? In. Revista Política e Sociedade, Dossiê temático. Edição v. 15. Florianópolis, 2016 p. 296-316. Disponível: DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2016v15nesp1p296

PERROT, Michele ; DUBY, Georges. Histoire des femmes en Occident: l’Antiquité. Paris: Histoires sens qualities. Paris: Prrin, 2002.

PERROT, Michele ; DUBY, Georges. Historia de las mujeres em Occidente: El siglo XIX. Madrid: Taurus, 1993.

PINTO, Celi R.J. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Perseu Abramo, 2003.

PINHEIRO, Larissa S. Movimento de Mulheres Camponesas: uma análise do feminismo camponês popular. 2017. Trabalho de conclusão de curso (Mestrado). Faculdade de Serviço Social, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Mossoró. 2017.

SANTOS, Michela K. Calaça. A. dos. Rompendo a cerca do isolamento: As relações entre a Agroecologia e as questões de gênero. (Dissertação de Mestrado). 2012. Universidade Federal de Pernambuco. Recife. 2012.

SEIBERT, Iridiani. Feminismo Camponês Popular: contribuição das mulheres camponesas à luta de transformação social. (Dissertação de mestrado). 2019. Universidade de Brasília. Brasília. 2019.

SIMAS, Tatiany de O. Histórias de Resistência de Mulheres escravizadas em Pernambuco (1830-1856). Trabalho de conclusão de curso (mestrado). 2017. Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal da Paraiba. João Pessoa. 2017.

SOUZA-LOBO, Elisabete. A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Perseu Abramo, 2011.

ZETKIN, C. Somente em conjunto com a mulher proletária o socialismo poderá ser vitorioso (1896). In. TOLEDO, Cecilia. A mulher e a luta pelo socialismo. São Paulo: Sundermann, 2014.

ZETKIN, C. O movimento de mulheres socialistas na Alemanha (1909). In. TOLEDO, Cecilia. A mulher e a luta pelo socialismo. São Paulo: Sundermann, 2014.

ZETKIN, C. Lênin e o movimento feminino (1920). In. TOLEDO, Cecilia. A mulher e a luta pelo socialismo. São Paulo: Sundermann, 2014.

Downloads

Publicado

2021-10-28

Como Citar

Calaça, M. (2021). Feminismo camponês popular: contribuições à história do feminismo. RURIS (Campinas, Online), 13(1), 29–66. https://doi.org/10.53000/rr.v13i1.4433

Edição

Seção

Artigos