Terra, memória e trauma

notas a partir da história do acampamento Elizabeth Teixeira

Autores

  • Fernanda Folster de Paula Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v13i1.4434

Palavras-chave:

Memória coletiva, Campesinato, Trauma, Movimento Sem-Terra

Resumo

Este artigo reflete sobre a produção de memória coletiva pelo campesinato brasileiro a respeito de traumas culturais, tendo como base episódios da história do Acampamento Elizabeth Teixeira, localizado no município de Limeira-SP. A partir de materiais audiovisuais feitos quando da reintegração de posse de uma das áreas do acampamento, discute-se a dificuldade do reconhecimento de episódios de violência e violações de direitos do campesinato como situações de excepcionalidade e causadoras de trauma cultural. Por fim, reflito o que isso significa para a produção de memória coletiva.

Biografia do Autor

Fernanda Folster de Paula, Universidade Estadual de Campinas

Mestre e doutoranda em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas. Pesquisadora vinculada ao Centro de Estudos Rurais.

Referências

ACOSTA, Alberto. Extrativismo e neoextrativismo: Duas faces da mesma maldição. In: DILGER, Gerhard; LANG, Miriam; PEREIRA FILHO, Jorge (Orgs). Descolonizar o imaginário: debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2016, p. 46-87.

ALEXANDER, J. Trauma: a social theory. Cambridge: Polity Press, 2012.

ALIMONDA, H. La colonialidad de la naturaleza: Una aproximación a la Ecología Política Latinoamericana. In: ALIMONDA, H. (Coord.). La naturaleza colonizada: Ecología política y minería en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2011, p. 21-60.

CARCAIOLI, G. F. Conhecimentos ordinários, currículo e cultura: artes de fazer no Acampamento Elizabeth Teixeira. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

COMISSÃO CAMPONESA DA VERDADE. Relatório Final da Comissão Camponesa da Verdade. 2014. Disponível em: https://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/Relat%C3%B3rio%20Final%20Comiss%C3%A3o%20Camponesa%20da%20Verdade%20-%2009dez2014.pdf, último acesso em jul. 2021.

DE PAULA, F. F.; ROCHA, L. M. A comercialização em acampamentos rurais: Impactos da experiência do grupo de consumo “Sacolão”. Anais do VII Simpósio sobre Reforma Agrária e Questões Rurais, Araraquara, 2016.

DILGER, Gerhard; LANG, Miriam; PEREIRA FILHO, Jorge (Orgs.). Descolonizar o imaginário: debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2016.

ESCOBAR, A. Ecología Política de la globalidad y la diferencia. In: ALIMONDA, H. (Coord.). La naturaleza colonizada: Ecología política y minería en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2011, p. 61-93.

FERNANDES, F. A Revolução Burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca Azul, 2006 [1975].

FREITAS, F. A. Educação infantil popular: Possibilidades a partir da Ciranda Infantil do MST. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

HALBWACHS, M. Los marcos sociales de la memoria. Caracas: Universidad de Venezuela, 2004. [1925]

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos pagu, n. 5, p. 7-41, 1995.

HARDING, S. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Estudos feministas, p. 7-32, 1993.

HUYSSEN, A. Seduzidos pela memória. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

JELIN, E. Los trabajos de la memoria. Madrid: Siglo Veintiuno de España Editores, 2012.

JELIN, E. La lucha por el pasado: cómo construimos la memoria social. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2017.

LEITE, Sérgio Pereira; KATO, Karina. Land Grabbing, financeirização da agricultura e mercado de terras: Velhas e novas dimensões da questão agrária no Brasil. Revista da ANPEGE, v. 16, n. 29, p. 458-489, 2020.

POLLAK, M. “Memória, esquecimento, silêncio”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 02, n. 03, p. 03-15, 1989.

PRADO JR, C. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ROCHA, L; MAZALLA NETO, W. Fortalecimento da soberania alimentar na agricultura camponesa e familiar por meio de circuitos locais de comercialização. Cadernos de Agroecologia, v. 13, n. 1, s/p, 2018.

RODRIGUES, T. P. P. P. “Nóis é terrívi, se nóis fala que faz, nóis faz”: o acampamento Elizabeth Teixeira em Limeira-SP e a construção da escola como espaço público de auto-organização e educação popular. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.

SARLO, B. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SILVA, Lígia Maria Osório. Terras devolutas e latifúndio: efeitos da lei de 1850. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

SVAMPA, M. N. Consenso de los Commodities y lenguajes de valoración en América Latina. Revista Nueva Sociedad, nº4, p. 30-46, 2013.

TAUFIC, R. Expansão urbana e relação campo-cidade: um estudo a partir do município de Limeira (2003-2013). Dissertação (Mestrado em Economia) - Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

TODOROV, V. M. et al. EJA no acampamento Elizabeth Teixeira: a construção coletiva de um calendário como instrumento de divulgação da vida e luta de trabalhadores (as) rurais. Revista do EDICC, v. 1, n. 1, s/p., 2012.

WANDERLEY, M. N. B. O campesinato brasileiro: uma história de resistência. Revista de economia e sociologia rural, v. 52, p. 25-44, 2014.

WOORTMANN, E. F.; WOORTMANN, K. O trabalho da terra: a lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasília: Editora UnB, 1997.

Downloads

Publicado

2021-10-27

Como Citar

Paula, F. F. de. (2021). Terra, memória e trauma: notas a partir da história do acampamento Elizabeth Teixeira. RURIS (Campinas, Online), 13(1), 7–28. https://doi.org/10.53000/rr.v13i1.4434

Edição

Seção

Artigos