Ouvindo no mangue

território e vida a partir dos sons

Autores

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v13i2.4495

Palavras-chave:

Território, Caranguejo-uçá, Paisagem sonora, Manguezal

Resumo

Neste artigo uso como caso etnográfico uma situação vivenciada por mim e um amigo caranguejeiro junto a macacos–prego em manguezais da Reserva Extrativista Marinha do Delta do Parnaíba. Partindo de experiências auditivas implicadas na captura do caranguejo-uçá, reflito sobre o conceito antropológico de território em diálogo: 1) com a noção de paisagem sonora e a crítica elaborada a ela por Tim Ingold; 2) com a categoria de território pesqueiro, desenvolvida por movimentos sociais da pesca. Assim, aciono os sons a fim de propor uma abordagem de território fundada nos engajamentos práticos dos viventes com o ambiente.

Biografia do Autor

Lucas Coelho Pereira, Universidade de Brasília

Doutor em Antropologia Social e pesquisador vinculado ao Laboratório de Antropologia da Ciência e da Técnica pela Universidade de Brasília.

Referências

ARAGÃO, Thais Amorim. Paisagem sonora como conceito: tudo ou nada? Revista Música Hodie, v.19, e53417, p. 1-17, 2019.

BISPO, Antônio. Colonização e quilombos: modos e significados. Brasília: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa, 2015.

CARDOSO, Thiago Mota. Paisagens em transe: ecologia da vida e cosmopolítica Pataxó no Monte Pascoal. Brasília: IEB; Mil Folhas, 2018

COELHO PEREIRA, Lucas; SILVEIRA, Pedro. Humanos e caranguejos nos manguezais do Delta do Parnaíba: histórias da paisagem. Revista Anthropológicas, 32(1), p. 1-36, 2021

DAY JR., John W. et al. 2013. Estuarine Ecology. New Jersey: Wiley-Blackwell. ENTRETERRAS, vol. 1, n. 1, Brasília, junho de 2017.

FAGUNDES, Guilherme Moura. Fogos gerais: transformações tecnopolíticas na conservação do cerrado. 2019a. Tese (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social). Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

FAGUNDES, Guilherme Moura. Fire normativities: environmental conservation and quilombola forms of life in the Brazilian savanna. Vibrant, v. 16, p. 1-22, 2019b.

FARIAS, Alessandra Cristina da Silva et al. Cadeia produtiva da pesca no interior do Delta do Parnaíba e are a marinha adjacente. Fortaleza: Editora RDS, 2015.

FERREIRA, Joelson; FELÍCIO, Erahsto. Por terra e território: caminhos da revolução dos povos no Brasil. Arataca (BA): Teia dos Povos, 2021.

GALLOIS, Dominique Tilkin. Terras ocupadas? Territorios? Territorialidades?. In: RICARDO, Fany (org.). Terras Indigenas e Unidades de Conservacao da Natureza. O desafio das sobreposicoes territoriais. Instituto Socioambiental, Sao Paulo, 2004.

GARCIA, Uirá. Macacos também choram, ou esboço para um conceito ameríndio de espécie. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 69. P. 179-204, abril 2018.

GARCIA, Uirá. Além do que se vê: ecologias do som e do silêncio. Revista Coletiva, Recife, Fundação Joaquim Nabuco-FUNDAJ, n.8, p. 1-8, 2019.

Gell, Alfred. The Language of the Forest: landscape and phonological iconism in Umeda. In: The Art of Anthropology: Essays and Diagrams . London: Berg, 1999, p. 232-258.

GIBSON, James J. The ecological approach to visual perception. New York: Psychology Press, 1986.

GODOI, Emilia Pietrafesa. Territorialidade. In: Sansone, L; Furtado, C.A. (orgs.). Dicionario crítico das ciências sociais dos países de fala oficial portuguesa. Salvador: EDUFBA; ABA Publicacões, 2016, p. 443 – 452.

ICMBio, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Plano de gestão para extração do caranguejo-uçá em Reserva Extrativista no Delta do Parnaíba. Parnaíba: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 2016.

INGOLD, Tim. Estar Vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: EditoraVozes, 2015.

INGOLD, Tim. Pare, Olhe, Escute! Visão, Audição e Movimento Humano. Ponto Urbe [Online], 3, 2008.

INGOLD, Tim. The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. London: Routledge, 2000.

KOHN, Eduardo. How forests think: toward an anthropology beyond the human. Berkeley: University of California Press, 2013.

LITTLE, Paul E. Territorios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Brasilia, Serie Antropologia, 322, UnB, 2002.

MAINE, Henry. Ancient Law. London: Dent, 1861.

MELLO, Cecília Campelo do Amaral. O empresário, a ong, os marisqueiros,a criança: um estudo de caso sobre a variação de sentidos de um manguezal em disputa. Revista de Antropologia. São Paulo, Online, 59(2): 59-85, 2016.

MORGAN, Lewis Henry. A Sociedade Primitiva. Lisboa: Editorial Presença, 1973.

MPP - Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais do Brasil. Cartilha: Projeto de Lei de Iniciativa Popular sobre o Território Pesqueiro, 2012.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, 4(1), 47-77, 1998.

OLIVEIRA, Marcelo do Vale, MANESCHY, Maria Cristina. Territórios e territorialidades no extrativismo de caranguejos emPontinha de Bacuriteua, Bragança, Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 9, n. 1, p. 129-143, 2014.

PITROU, P. Ação ritual, mito, figuração: imbricação de processos vitais e técnicos na Mesoamérica e nas terras baixas da América do Sul (Introdução). Revista de Antropologia, 59: 1, 2016.

PITROU, P. Life as a process of making in the Mixe Highlands (Oaxaca, Mexico): towards a general pragmatics‘ of life. Journal of the Royal Anthropological Institute, 21 (1): 86–105, 2015.

SCHAEFFER-NOVELLI, Yara. 2018. “A diversidade do ecossistema manguezal.” In: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (Ed.) Atlas dos Manguezais do Brasil, Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, p. 21-54, 2018.

SCHAFER, R. Murray. The soundscape: our sonic environment and the tuning of the world. New York: Knopf, 1997.

SILVEIRA, Pedro Castelo Branco; BUTI, Rafael Palermo. A vida e a morte dos guaiamuns: antropologia nos limites dos manguezais. Anuário Antropológico n. 45, v. 1, pp- 117-148, 2020.

SILVEIRA, Pedro Castelo Branco. Caminhando pelos manguezais do fim do mundo. ClimaCom – Florestas [Online], Campinas, ano 7, n. 17, Jun. 2020.

SOUTO, Francisco José. A ciência que veio da lama: uma abordagem etnoecológica das relações ser humano/manguezal na comunidade pesqueira de Acupe, Santo Amaro-BA. 2004. (Tese de doutorado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

TEIXEIRA, Jorge Luan Rodrigues. Caçando na mata branca: conhecimento, movimento e ética no sertão cearense. 2019. Tese. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

TSING, Anna. The Mushroom at the End of the World. On the possibility of life in capitalista ruins. Princeton: Princeton University Press, 2015.

TSING, Anna. Viver nas Ruínas: paisagens multiespécies no antropoceno. Brasília: IEB Mil Folhas, 2019.

VANUCCI, Marta. Os manguezais e nós: uma síntese de percepções. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2 Ed, 2002.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectival anthropology and the method of controlled equivocation. Tipití: Journal for the Society of Anthropology of Lowland South America, v. 2, n. 1, p. 3-22, 2004.

Downloads

Publicado

2022-08-04

Como Citar

Pereira, L. C. (2022). Ouvindo no mangue: território e vida a partir dos sons. RURIS (Campinas, Online), 13(2), 140–166. https://doi.org/10.53000/rr.v13i2.4495