Entre a terra e o céu

os fluxos, os fluidos e as forças da vida na beira do rio

Autores

  • Izadora Acypreste Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v13i2.4500

Palavras-chave:

Paisagem, Água, Astros, Plantas

Resumo

Nas margens do São Francisco vivem alguns coletivos quilombolas que destacam a centralidade deste rio em suas vidas, sendo considerado por eles como um organismo vivo e com agência, pois ele anda, come e deixa a terra, criando ilhas, paisagens e fazendo movimentar pessoas, bichos, plantas e saberes. Esse “sistema circulatório” das águas produz a vida da terra e dos viventes do lugar, que também são afetados pela influência do governo da lua. Neste trabalho, procuro descrever os saberes quilombolas sobre a paisagem e como ela se constitui a partir da influência das águas e dos astros.

Biografia do Autor

Izadora Acypreste, Universidade Federal de São Carlos

Doutora em Antropologia Social e pesquisadora vinculada ao Laboratório de Etnologias Transespecíficas.

Referências

COCCIA, Emanuele. A vida das Plantas: uma metafísica da mistura. Desterro (Florianópolis): Cultura e Barbárie, 2018.

GODOI, Emilia. Reciprocidade e circulação de crianças entre camponeses do sertão. In: GODOI, Emilia; MENEZES, Marilda;

MARIN, Rosa (Orgs.). Diversidade do Campesinato: expressões e categorias. Estratégias de reprodução social. Vol. 2. São Paulo/Brasília: UNESP/NEAD, 2009, p. 289-302.

INGOLD, Tim. The temporality of the landscape. In: The Perception of the Environment. Essays in Livelihood, Dwelling and Skill. London: Routledge, 2000, p. 189-208.

LUZ DE OLIVEIRA, Claudia. Vazanteiros do Rio São Francisco: um estudo sobre populações tradicionais e territorialidade no Norte de Minas Gerais. 2005. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

LUZ DE OLIVEIRA, Claudia. Fluidez, nomadismo e impermanências: reflexões sobre território e territorialidade entre os vazanteiros do médio São Francisco. In: BRANDÃO, C.; SOUZA, A. (Org.). O Viver em Ilhas. Uberlandia, MG: EDUFU, 2013, pp. 85-100.

NÓBREGA, Márcia. Entre “almas” e “caboclos”, um “povo só”: diferença e unidade numa ilha no Rio São Francisco. R@U, 9 (2), jul./dez. 2017: 109-122.

OLIVEIRA, Joana. “Vocês sabem porque vocês viram!”: reflexões sobre modos de autoridade do conhecimento. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v. 55, n. 1, p. 51-74, 2012.

PIERSON, Donald. O Homem no Vale do São Francisco. Ministério do Interior/Superintendência do Vale do São Francisco. Tomo I, 1972a.

PIERSON, Donald. O Homem no Vale do São Francisco. Ministério do Interior/Superintendência do Vale do São Francisco. Tomo II, 1972b.

RIBEIRO, Ricardo. Florestas anãs do Sertão - o Cerrado na História de Minas Gerais. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

VIEIRA, Suzane. Resistência e pirraça na Malhada: cosmopolíticas quilombolas no Alto Sertão de Caetité, Bahia. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro/Museu Nacional, Rio de Janeiro, 2015.

WOORTMANN, Ellen. O Saber Camponês: práticas ecológicas tradicionais e inovação. In: GODOI, Emilia; MENEZES, Marilda; MARIN, Rosa (Orgs.). Diversidade do Campesinato: expressões e categorias. Estratégias de reprodução social. Vol 2. São Paulo: Editora Unesp; Brasília – DF: NEAD, 2009, p. 119-129.

WOORTMANN, Ellen F.; WOORTMANN, Klaas. O Trabalho da Terra: a lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasília-DF: EDUnB, 1997.

Downloads

Publicado

2022-08-04

Como Citar

Acypreste, I. (2022). Entre a terra e o céu: os fluxos, os fluidos e as forças da vida na beira do rio. RURIS (Campinas, Online), 13(2), 108–139. https://doi.org/10.53000/rr.v13i2.4500