Há vida entre sementes

produzindo (com) vegetais no Médio Juruá

Autores

  • Bruno Campelo Pereira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v13i2.4509

Palavras-chave:

Reservas Extrativistas, Sementes Oleaginosas, Paisagens Multiespécies, Médio Juruá

Resumo

Para este trabalho, recorremos a pesquisas sobre as dinâmicas de economia florestal na Reserva Extrativista do Médio Juruá/Carauari/AM. Através de um experimento literário, três sementes nativas nos contam sobre como se relacionam com humanos e se emaranham a outras formas de vida. Inspiradas pelos estudos multiespécies, histórias sobre vivências vegetais e práticas extrativistas apresentam diferentes possibilidades de convívio na floresta, tendo como horizonte a comunidade Roque. Com esse experimento, pretendemos refletir sobre como plantas podem nos orientar para relações mais-que-humanas, na tentativa de estender nossas ferramentas de descrição da Amazônia ribeirinha para paisagens multiespécies.

Biografia do Autor

Bruno Campelo Pereira, Universidade Estadual de Campinas

Mestrando em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Relatórios, Levantamentos e Diagnósticos:

AMAZONAS, Governo do Estado do. Plano de Gestão da Reserva do Desenvolvimento Sustentável do Uacari, Carauari-AM, 2010.

BRASIL, Governo Federal do. Decreto S/N, de 4 de março de 1997. Dispõe sobre a criação da Reserva Extrativista do Médio Juruá, no Município de Carauari, Estado do Amazonas, e dá outras providências, Brasília, p. 4144, 1997.

BRASIL, Governo Federal do. Plano de Manejo da Reserva Extrativista do Médio Juruá. MMA-Ministério do Meio Ambiente, ICMbio-CGS, Carauari-AM, 2011.

Dissertações, Teses e Publicações:

ALMEIDA, Mauro W. B. Rubber tappers of the upper Juruá river, Brazil: the making of a forest peasant economy. 1993. Tese (Doutorado), University of Cambridge, Cambridge.

ALMEIDA, Mauro W. B. Guerras Culturais e Relativismo Cultural. Revista Brasileira de Ciências Sociais, [s.l.], v. 14, n. 41, p. 5-14, 1999.

ALMEIDA, Mauro W. B. Relativismo Antropológico e Objetividade Etnográfica. Campos, [s.l.], v. 3, p. 9-29, 2003.

ALMEIDA, Mauro W. B. Direitos à floresta e ambientalismo: seringueiros e suas lutas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 19, n. 55, 2004.

ALMEIDA, Mauro W. B. Caipora e outros conflitos ontológicos. Revista de Antropologia da UFSCar, v. 5, n. 1, p. 7-28, 2013.

ARAÚJO, Nelcioney José de Souza. As tensões territoriais ribeirinhas na reserva extrativista médio Juruá (AM). 2007. Tese (Doutorado), Universidade Federal Fluminense (UFF), Rio de Janeiro-RJ.

BALÉE, William. Biodiversidade e os índios amazônicos. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela;VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Amazônia Etnologia e História Indígena. São Paulo: NHII-USP, 1993.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, v. 2, p. 115-144, 1996.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. “O conceito de sociedade em antropologia”. In VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo: A inconstância da alma selvagem. São Paulo-SP: Cosac Naify, 2014.

CORREIA, José de Castro. Introdução dos Óleos Vegetais na Matriz Energética da Reserva Extrativista do Médio Juruá e a Valorização da Biodiversidade - Óleo de Andiroba. 2002. Tese (Doutorado), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas-SP.

DERICKX, João; TRASFERETTI, J. A. No Coração da Amazônia. Juruá, o rio que chora. Petrópolis-RJ: Vozes, 1992.

DESCOLA, Philippe; PÁLSSON, Gísli (Ed.). Nature and society: anthropological perspectives. Taylor & Francis, 1996.

FERRAZ, I. D. K.; CAMARGO, J. L. C.; SAMPAIO, P. T. B. Manual de sementes: andiroba Carapa guianensis Aubl. Carapa procera D. C. Meliaceae. Manaus: INPA, 2003.

FRANCO, Fábio Chicuta. Estratégias de uso de recursos naturais dos moradores da Reserva Extrativista do Médio Juruá: farinha e extrativismo. 2007. Dissertação (Mestrado). Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA, Manaus-AM.

HARAWAY, Donna Jeanne. The companion species manifesto: Dogs, people, and significant otherness. Chicago: Prickly Paradigm Press, 2003.

HARAWAY, Donna Jeanne. When species meet. Posthumanities Series, v. 3, Cary Wolfe (ed.). Minneapolis: University of Minnesota Press, 2008.

INGOLD, Tim. Quando a formiga se encontra com a aranha: teoria social para artrópodes. In: Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Editora Vozes Limitada, 2015.

GOULART, José Alipio. O regatão (mascate fluvial da Amazônia). Rio de Janeiro-RJ: Conquista, 1968.

JUNQUEIRA, A. B.; SHEPARD JR, G.; CLEMENT, C. Secondary forests on anthropogenic soils in Brazilian Amazonia conserve agrobiodiversity. Biodivers Conserv, v.19, jun. p. 1933-1961, 2010.

KIRKSEY, S. Eben; HELMREICH, Stefan. The emergence of multispecies ethnography. Cultural anthropology, v. 25, n. 4, p. 545-576, 2010.

LIMA, Tânia Stolze. O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo em uma cosmologia tupi. Mana, v. 2, p. 21-47, 1996.

MAGALHÃES, Marcos P. (Ed.). Amazônia antropogênica. Belém-PA. Museu Paraense Emílio Goeldi, 2016.

MARTINI, Andrea. Tecendo limites no Alto Rio Juruá. Brazil Publishing, 2019.

MCHARGUE, L.A.; HARSTSHORN, G.S. Seed and seedling ecology of Carapa guianensis. Turrialba, 33(4): 399-404, 1983.

MCGRATH, David. Parceiros no crime: o regatão e a resistência cabocla na Amazônia tradicional. Novos Cadernos NAEA, 2.2, 2009.

MENDONÇA, Andreza P., & FERRAZ, Isolde Dorothea Kossmann. Óleo de andiroba: processo tradicional da extração, uso e aspectos sociais no estado do Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, 37(3), 353-364, 2007.

MONTES, Lívia V. BROSEGHINI, L. P., ANDREATTA, F. S., SANT'ANNA, M. E. S., NEVES, V. M., & SILVA, A. G. Evidências para o uso da óleo-resina de copaíba na cicatrização de ferida – uma revisão sistemática, Escola Superior São Francisco de Assis – ESFA. Santa Teresa, Espírito Santo, 2009.

PESCE, Celestino. Oleaginosas da Amazônia. Of. Gráf. Rev.Veterinária, 1941.

MONTEIRO, Mário Y. O regatão. Manaus-AM: Sérgio Cardoso, 1958.

NEVES, Eduardo. Arqueologia da amazônia. Rio de Janeiro-RJ: Zahar, 2006.

PARÉDIO, Lindoneide Lima. Fontes Renováveis de Energia Elétrica para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia. 2003. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus-AM.

QUEIROZ, J. A. L. de; BEZERRA, V. S.; MOCHIUTTI, S. A palmeira murumuru (Astrocaryum murumuru Mart.) no estuário do rio Amazonas no Estado do Amapá. Biodiesel: tecnologia limpa: anais completos. Lavras: UFLA. 2-2/29-47, 2008.

RIBEIRO, Magda dos Santos. Natureza e mercado: castanheiros, empresários e as economias de suas relações. 2016. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo.

SANTOS, Roberto. História Econômica da Amazônia, 1800-1920. São Paulo: Queiróz, 1980. SCHWARTZMAN, S. Extractive Reserves: The Rubber Tappers' Strategy for Sustainable Use of the Amazon Rainforest. In BROWDER, J. O. Fragile lands of Latin America: strategies for sustainable development. Westview Press, 1989.

SCHWEICKARDT, Kátia H.S.C. As diferentes faces do estado na Amazônia-etnografia dos processos de criação e implantação da RESEX Médio Juruá e da RDS Uacari no médio Juruá. 2010. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro-RJ.

SILVA, H. M.; DE SOUZA, R. A. Doenças da seringueira na Amazônia: tentativa de uma abordagem crítica. In: Embrapa Amazônia Oriental-Artigo em anais de congresso (ALICE). SIMPÓSIO DO TRÓPICO ÚMIDO, Belém-PA: EMBRAPA-CPATU, v. 4, p. 113-125., 1986.

STRATHERN, Marilyn. O Gênero da Dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas: Editora Unicamp, 2006.

STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia. São Paulo-SP, Editora Terceiro Nome, 2013.

STRATHERN, Marilyn. O conceito de sociedade está teoricamente obsoleto? (Capítulo 6). In: STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo - SP: Cosac Naify, 2014.

TSING, Anna. More-than-human sociality: a call for critical description. Anthropology and nature. Routledge. p. 37-52, 2013.

TSING, Anna. The Mushroom at the End of the World: On the possibility of Life in Capitalist Ruins. Princeton University Press, 2015.

TSING, Anna. Viver nas ruínas: paisagens multiespécies no Antropoceno. Brasília-DF: IEB Mil Folhas, 2019.

VIDAL, Terena do Couto Sampaio. 2020. A Usina do Roque: produção (in)sustentável de óleos e manteigas vegetais para uma indústria de cosméticos na Amazônia. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus-AM, 2020.

Sites e portais:

NATURA. A Natura, Nossa História. 2021: https://www.natura.com.br/a-natura/nossa-historia. Último acesso em janeiro de 2021

Downloads

Publicado

2022-08-04

Como Citar

Pereira, B. C. (2022). Há vida entre sementes: produzindo (com) vegetais no Médio Juruá. RURIS (Campinas, Online), 13(2), 39–75. https://doi.org/10.53000/rr.v13i2.4509