Uma árvore de muita autoridade

o buriti e o totemismo no sertão de Guimarães Rosa

Autores

  • Mario Rique Fernandes Universidade Federal do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v13i2.4537

Palavras-chave:

Buriti, Guimarães Rosa, Lévi-Strauss, Totemismo

Resumo

A literatura fornece um campo fértil para a pesquisa sobre a relação do ser humano com a natureza. Escritores e pesquisadores, apesar da especificidade de seus trabalhos - a arte e a ciência - tem pontos em comum em relação à natureza das percepções e às experiências ambientais. A produção literária de Guimarães Rosa apresenta uma multiplicidade de significados de natureza, fruto de andanças, observações e vivências do autor, que trazem nas entrelinhas uma concepção e um profundo conhecimento sobre a flora, a fauna e a gente sertaneja. Este ensaio busca interpretar o “caráter” da palmeira buriti na poética do sertão de Guimarães Rosa, utilizando seus escritos, dados etnográficos e minhas próprias observações a respeito dessa árvore.

Biografia do Autor

Mario Rique Fernandes, Universidade Federal do Amazonas

Doutor em Antropologia Social. Pesquisador vinculado ao Núcleo de Estudos da Amazônia Indígena pela Universidade Federal do Amazonas.

Referências

BIZZARRI, Edoardo. João Guimarães Rosa: correspondências com seu tradutor italiano. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

CASTRO, Manuel Antonio. O homem provisório no grande Ser-Tão. Um estudo do Grande Sertão Veredas. Rio de Janeiro, 1976.

CASTRO, Alexandre José Amaro. O alívio das manhãs. 2005. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

CHEVALIER, Jean e GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. São Paulo: Editora José Olympio, 2012.

CUNHA, Manuela C. e ALMEIDA, Mauro B. (orgs.). 2002. Enciclopédia da floresta. São Paulo: Companhia das Letras.

EITEN, George. Vegetação do Cerrado. In: PINTO, Maria Novaes (org.). Cerrado: caracterização, ocupação e perspectivas. 2. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1993.

ELIADE, Mircea. Tratado de história das religiões. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FERNANDES, Mario Rique. Refazendo o sertão: o lugar do buriti (Mauritia flexuosa Lnn. F.) na cultura sertaneja de Terra Ronca - GO. (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável). Universidade de Brasília/Centro de Desenvolvimento Sustentável, 2004.

LÉVI-STRAUSS, Claude e ERIBON, Didier. 2005. De perto e de longe – Claude Lévi-Strauss, Didier Eribon. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O totemismo hoje. Lisboa: Edições 70, 1986.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. 2. Ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido. (Mitológicas v. 1). São Paulo: Cosac Naify, 2010.

LORENZI, Harri. et al. Palmeiras brasileiras e exóticas cultivadas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2004.

MACHADO, Ana Maria. O recado do nome: leitura de Guimarães Rosa à luz do nome de seus personagens. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003.

MEYER, Mônica. Ser-tão natureza: a natureza em Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

PIO CORREA, Manoel. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. v. 1. Brasília: Ministério da Agricultura, 1931.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

ROSA, João Guimarães. Noites do sertão: corpo de baile. 9. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

SCHETTINO, Marco P. F. Espaços do sertão. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília, Brasília, 1995.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

Downloads

Publicado

2022-08-04

Como Citar

Fernandes, M. R. (2022). Uma árvore de muita autoridade : o buriti e o totemismo no sertão de Guimarães Rosa. RURIS (Campinas, Online), 13(2), 199–221. https://doi.org/10.53000/rr.v13i2.4537