MST, políticos locais e sindicatos

uma etnografia da representação dos trabalhadores rurais no Rio de Janeiro

Autores

  • Marcelo Ernandez Macedo Universidade Estadual do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v3i1.682

Palavras-chave:

Movimentos sociais, MST, Sindicatos de trabalhadores rurais, Sociologia rural

Resumo

A partir de uma pesquisa de campo em acampamentos de trabalhadores sem-terra na região norte fluminense, o artigo apresenta três dos principais grupos de representantes políticos das famílias acampadas. Adotando uma perspectiva ao mesmo tempo etnográfica e histórica, discute como a dinâmica da representação política dos trabalhadores rurais no Rio de Janeiro se vem transformando desde a década de 1950.

Biografia do Autor

Marcelo Ernandez Macedo, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, professor adjunto da Faculdade de Administração e Finanças da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

ALENTEJANO, Paulo Roberto R. Reforma agrária, território e desenvolvimento no Rio de Janeiro. 2003. Tese (Doutorado) – CPDA/UFRRJ, Rio de Janeiro.

FERNANDES, Bernardo Mançano. A formação do MST no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2000.

GRYNSZPAN, Mário. Mobilização camponesa e competição política no estado do Rio de Janeiro (1950-1964). 1987. Dissertação (Mestrado) – UFRJ/Museu Nacional, Rio de Janeiro.

JULIÃO, Francisco. Que são as ligas camponesas?. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1962, Cadernos do Povo Brasileiro, n. 1.

KUSCHNIR, Karina. O cotidiano da política. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

MACEDO, Marcelo Ernandez. Zé Pureza – Etnografia de um acampamento no norte fluminense. 2003. Tese (Doutorado) – PPCIS/Uerj, Rio de Janeiro.

MEDEIROS, Leonilde S. et al. Os efeitos políticos locais dos assentamentos rurais: reflexões a partir do estado do Rio de Janeiro. In: COSTA, Luiz Flávio C.; MOREIRA, Roberto José (Org.). Mundo rural e cultura. Rio de Janeiro: Mauad, 2002, p. 179-204.

MENEZES, Heloísa R. G. de. Reforma agrária e identidade social na Baixada Fluminense: uma nova correlação rural-urbana. 1991. Dissertação (Mestrado) – CPDA/UFRRJ, Rio de Janeiro.

NOVICKI, Victor Araújo. O estado e a luta pela terra no Rio de Janeiro: primeiro governo Brizola (1983-1987). 1992. Dissertação (Mestrado) – CPDA/UFRRJ, Rio de Janeiro.

PALMEIRA, Moacir. Casa e trabalho: nota sobre as relações sociais na “plantation” tradicional. Paris: XLIIème Congrès International des Américanistes, Société des Américanistes/ Muséé de l’Homme, 1978.

PUREZA, José. Memória camponesa. In: O’DWYER, Eliane Cantarino (Org.). Memória camponesa. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982.

ROSA, Marcelo Carvalho. O sem-terra partido ao meio: um estudo de caso das relações sociais entre assentados e municípios receptores na região da Grande Porto Alegre–RS. 2000. Dissertação (Mestrado) – CPDA/UFRRJ, Rio de Janeiro.

SIGAUD, Lygia. Os clandestinos e os direitos – Estudo sobre trabalhadores da cana-de-açúcar de Pernambuco. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1979.

SIGAUD, Lygia. A presença política dos camponeses: uma questão de reconhecimento. In: CAMARGO, Aspásia; DINIZ, Eli (Org.). Continuidade e mudança no Brasil da Nova República. Rio de Janeiro: Vértice/Iuperj, 1989, p. 163-179.

SIGAUD, Lygia. A forma acampamento: notas a partir da versão pernambucana. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, Cebrap, n. 58, p. 73-92, nov. 2000.

SIGAUD, Lygia et al. Histoirs de campments. Cahiers du Brasil Contemporain, Paris, n. 43/44, p. 31-70, 2001.

Downloads

Publicado

2012-04-30

Como Citar

Macedo, M. E. (2012). MST, políticos locais e sindicatos: uma etnografia da representação dos trabalhadores rurais no Rio de Janeiro. RURIS (Campinas, Online), 3(1). https://doi.org/10.53000/rr.v3i1.682