Descrição e prescrição no desenvolvimento rural

o território como espaço social reificado

Autores

  • Rodrigo Constante Martins Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.53000/rr.v3i1.691

Palavras-chave:

Desenvolvimento rural, Ruralidade e regulação ambiental, Governança territorial

Resumo

O debate sobre novas possibilidades de desenvolvimento para as áreas rurais ganhou projeção em muitos países no curso dos anos 90. No geral, esse debate tem apontado para a necessidade de implementação de estratégias de desenvolvimento que sustentem pactos territoriais entre diferentes atores envolvidos na rede sociopolítica local. Este artigo apresenta uma interpretação sociológica da constituição das modernas instâncias de governança política das áreas rurais – mais especifi camente, os conselhos regionais e/ou municipais de desenvolvimento rural. Para tanto, abordaremos um estudo de caso realizado no município de Paranapanema, localizado na região sudoeste do estado de São Paulo. A questão principal a ser investigada será a presença das formas de dominação material e simbólica do espaço social no interior da instância descentralizada de governança socioterritorial.

Biografia do Autor

Rodrigo Constante Martins, Universidade de São Paulo

Doutor pela Universidade de São Paulo, professor do Departamento de Sociologia da Universidade Federal de São Carlos.

Referências

ABRAMOVAY, R. O futuro das regiões rurais. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2003.

BOONSTRA, W. J. Policies in the polder: how institutions mediate between norms and practices of rural governance. Sociologia Ruralis, v. 46, n. 4, p. 299-317, 2006.

BOURDIEU, P. A economia das trocas lingüísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: Edusp, 1996.

BOURDIEU, P. Les structures sociales de l’économie. Paris: Seuil, 2000.

BROWLEY, Daniel W. (Ed.). The handbook of environmental economics. Massachusetts: Blackwell Publishers, 1996.

BURGESS, J.; CLARK, J.; HARRISON, C. Knowledges in action: an actor network analysis of a wetland agri-environment scheme. Ecological Economics, v. 35, n. 1, p. 119-132, 2000.

BURTON, R. J.; KUCZERA, C.; SCHWARZ, G. Exploring farmer’s cultural resistance to voluntary agri-environmental schemes. Sociologia Ruralis, v. 48, n. 1, p. 18-36, 2008.

BURTON, R. J. Seeing through the “good farmer’s” eyes: towards developing an understanding of the social symbolic value of “productivist” behaviour. Sociologia Ruralis, v. 44, n.2, p. 195-216, 2004.

CAMPANHOLA, C.; SILVA, J. G. Diretrizes de políticas públicas para o novo rural brasileiro: incorporando a noção de desenvolvimento local. In: CAMPANHOLA, Clayton; SILVA, José G. (Eds.). O novo rural brasileiro: políticas públicas. Jaguariúna: Embrapa, 2000, v. 4, p. 61-92.

CARRIER, M.; CÔTÉ, S. (Eds.). Gouvernance et territoires ruraux: éléments d’un débats sur la responsabilité du développement. Québec: PUQ, 2000, coleção Sciences Régionales.

CONNELLY, S; RICHARDSON, T; MILES, T. Situated legitimacy: deliberative arenas and neu rural governance. Journal of Rural Studies, n. 22, p. 267-277, 2006.

COUDELL, E.; TONNEAU, J. P. Como avaliar a contribuição de uma formação no desenvolvimento territorial?. Reflexões a partir da experiência da universidade camponesa no território do Cariri paraibano. Working Paper. Inra/Cirad, 2007.

DIXON, J. A.; SHERMAN, P. B. Economics of proteged areas: a new look at benefits and costs. London: Earthscan Publications, 1990.

DOUGLAS, D. J. A. The restructuring of local government in rural regions: a rural development perspective. Journal of Rural Studies, n. 21, p. 231-246, 2005.

ELIAS, N. Qu’est-ce que la sociologie?. Paris: L’Aube, 1991.

FAURE, A. Territoires et subsidiarité: l’action publique locale à la lumière d’un principe controversé. Paris: L’Harmattan, 1997, coleção Logiques Politiques.

FISCHER, F. Reframing public policy: discursive politics and deliberative practices. Oxford, New York: Oxford University Press, 2003.

GOODWIN, M. The governance of rural areas: some emerging research issues and agends. Journal of Rural Studies, v. 14, n. 1, p. 5-12, 1998.

HAJER, M. Policy without polity? Policy analysis and the institutional void. Policy Sciences, n.36, p.175–195, 2003.

HERVIEU, B. Les champs du futur. Paris: Bourdin Francois Eds., 1993.

HOWARD, J. Using game theory to explain the behaviour of participants involved in a regional governance process. Rural Society, v. 16, n. 3, p. 254-270, 2006.

JANVRY, A.; SADOULET, E. Fitting the facts and capitalizing on new opportunities to redesign rural development programs in Latin America. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 42(3), p. 399-430, 2004.

JEAN, B. Territoires d’avenir: pour une sociologie de la ruralité. Quebéc: PUQ, 1997.

JOLLIVET, M. Pour une science sociale à travers champs: paysannerie, ruralité capitalisme (France XXe sciècle). Paris: Arguments, 2001.

KAYSER, B. La renaissance rurale: sociologie des campagnes du monde occidental. Paris: A. Colin, 1990.

MARSDEN, T. The condition of rural sustainability. Assen: Van Gorcum, 2003.

MARTINS, J. S. A sujeição da renda da terra ao capital e o novo sentido da luta pela reforma agrária. In: Os camponeses e a política no Brasil: as lutas sociais no campo e seu lugar no processo político, 5a ed. Petrópolis: Vozes, 1995, p. 151-177.

MARTINS, J. S. A sociabilidade do homem simples: cotidiano e história na modernidade anômala. São Paulo: Hucitec, 2000.

MARTINS, R. C. Ruralidade e regulação ambiental: notas para um debate político-institucional. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 43, p. 249-266, 2005.

MARTINS, R. C. Poder e legitimidade nos enunciados ambientais contemporâneos. Oficina do CES, Coimbra, Universidade de Coimbra, n. 312, ago. 2008.

MILLS, C. W. A imaginação sociológica, 5a ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1980.

MORRIS, C. Negotiating the boundary between state-led and farmer approaches to knowing nature: an analysis of UK agrienvironment schemes. Geoforum, v. 37, n. 1, p. 113-127, 2006.

MURDOCH, J; MARSDEN, T. Reconstituting rurality: class, community and power in the development process. London: UCL Press, 1994.

PATTON, M. Q. Qualitative research and evaluation methods, 3a ed. London: Sage Publications, 2002.

PEARCE, D. W.; TURNER, R. K. Economics of natural resources and the environment. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1991.

PEARCE, D. W. Economic values and the natural world. Massachusetts: The MIT Press, 1993.

SAA–SP – SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTACIMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa estadual de microbacias hidrográficas: avaliação de meio termo. Belo Horizonte: Del Giudice Assessoria Técnica Ltda./The World Bank/ SAA–SP, 2004.

SCHNEIDER, S. A abordagem territorial do desenvolvimento rural e suas articulações externas. Sociologias, v. 11, p. 88-125, 2004.

SHORTALL, S. Social or economic goals, civic inclusion or exclusion? An analysis of rural development theory and practice. Sociologia Ruralis, n. 44, p. 109-123, 2004.

VEIGA, J. E. O Brasil rural precisa de uma estratégia de desenvolvimento. Brasília: Nead, 2001, Série Textos para Discussão, n. 1.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo, 15a ed. São Paulo: Pioneira, 2000.

Downloads

Publicado

2012-04-30

Como Citar

Martins, R. C. (2012). Descrição e prescrição no desenvolvimento rural: o território como espaço social reificado. RURIS (Campinas, Online), 3(1). https://doi.org/10.53000/rr.v3i1.691